Aprenda a fazer a gestão de riscos da empresa na prática

Toda empresa enfrenta riscos que podem apresentar ameaças ao seu sucesso. Risco é definido como a probabilidade de um evento e suas consequências. E para mitigá-los, é importante que as empresas façam a gestão de riscos, que é a prática de usar processos, métodos e ferramentas para gerenciar as ameaças.

Tal gestão concentra-se na identificação do que pode dar errado, na avaliação dos riscos que devem ser tratados e na implementação de estratégias para lidar com eles. As empresas que identificam suas possíveis ameaças estão mais bem preparadas e conseguem lidar com elas de forma mais econômica.

Por esse motivo, neste post lhe mostraremos como fazer a gestão de riscos de sua empresa na prática. Boa leitura!

Processo de gestão de riscos

Gerir os riscos aos quais uma empresa está exposta deve ser uma das partes centrais da gestão estratégica de qualquer negócio. Identificar e abordar ameaças aumenta a probabilidade de alcançar com êxito os objetivos de sua empresa. Um processo de gestão de riscos envolve:

  • identificar metodicamente os riscos que envolvem suas atividades comerciais;
  • avaliar a probabilidade de ocorrência de um evento;
  • entender como responder a esses eventos;
  • implementar sistemas para lidar com as consequências;
  • acompanhamento da eficácia das suas abordagens e controle de gestão de riscos.

Como resultado, o processo de gestão de risco:

  • melhora a tomada de decisões, planejamento e priorização;
  • ajuda a alocar capital e recursos de forma mais eficiente;
  • permite antecipar o que pode dar errado, minimizando situações difíceis que os gestores precisem resolver ou, em piores casos, impedindo desastres ou graves perdas financeiras;
  • melhora significativamente a probabilidade da entrega de planos de negócios a tempo e dentro do orçamento.

O gerenciamento de riscos se torna ainda mais importante caso sua empresa decida tentar algo novo, como lançar um novo produto ou entrar em novos mercados. Concorrentes que o seguem, ou avanços na tecnologia que tornam o seu produto redundante, são dois riscos a considerar em casos como esses.

Fique atento aos tipos de riscos 

Os principais tipos de risco para os quais uma empresa deve ficar atenta são:

  • estratégico: um concorrente que entra no mercado, por exemplo;
  • conformidade: tal qual a introdução de nova legislação referente à saúde e segurança do trabalho;
  • financeiro: clientes inadimplentes ou multas por não emissão de notas fiscais;
  • operacional: avaria ou roubo de equipamento-chave.

Essas categorias não são rígidas e algumas partes do seu negócio podem cair em mais de uma categoria. Os riscos ligados à proteção de dados, por exemplo, podem ser considerados ao analisar suas operações ou a conformidade de sua empresa.

Riscos estratégicos e de conformidade

Os riscos estratégicos são aqueles associados ao funcionamento de uma determinada indústria. Eles incluem riscos decorrentes de:

  • fusões e aquisições;
  • mudanças entre clientes ou na demanda;
  • mudanças na indústria;
  • pesquisa e desenvolvimento.

Por exemplo, você pode considerar os riscos estratégicos da possibilidade de uma empresa brasileira comprar um dos seus concorrentes argentinos. Isso pode dar à empresa brasileira um braço de distribuição na Argentina, assim, ele precisará considerar:

  • se existem empresas brasileiras que possuem o preço à vista para fazer isso;
  • se existem concorrentes argentinos que poderiam ser um alvo de aquisição, talvez por causa de dificuldades financeiras;
  • se a empresa brasileira reduziria os preços ou investiria mais em pesquisa e desenvolvimento. Onde há uma forte possibilidade disso acontecer, você deve preparar algum tipo de resposta.

Riscos de conformidade

Os riscos de conformidade são aqueles associados à necessidade de cumprir leis e regulamentos. Eles também se aplicam à necessidade de agir de uma maneira que os investidores e clientes esperam, por exemplo, garantindo a boa gestão corporativa.

Pode ser necessário que a empresa considere se as leis trabalhistas, saúde e segurança podem adicionar gastos gerais ou forçar mudanças em suas formas de trabalho estabelecidas.

Os riscos legislativos também são um fator a considerar para esse tipo de negócio. É importante que a empresa reflita se os produtos ou serviços que oferece poderiam ser tornar menos negociáveis pela legislação ou tributação.

Um exemplo seria o Ministério da Saúde — preocupado coma saúde dos consumidores e o aumento da obesidade — adotar maior rigidez nos regulamentos de rotulagem dos alimentos, o que pode aumentar os custos ou reduzir a busca por certos alimentos.

Riscos financeiros e operacionais

Os riscos financeiros estão associados com a estrutura financeira do seu negócio, as transações que sua empresa faz e os sistemas financeiros que você já tem.

Identificar os riscos financeiros envolve o exame de suas operações financeiras diárias, como o fluxo de caixa. Se seu negócio é muito dependente de um único cliente e ele em algum momento não consegue pagar por seu serviço, poderia ter sérias implicações para a viabilidade do negócio. Portanto, é importante examinar:

  • a forma como estende crédito a novos clientes;
  • clientes inadimplentes;
  • quais medidas você pode seguir para recuperá-los;
  • um seguro que possa cobrir dívidas altas ou duvidosas.

O risco financeiro também deve levar em conta fatores externos como taxas de juros e taxas de câmbio. Mudanças de taxa afetarão seus reembolsos de débito e a competitividade de seus bens e serviços, comparados com aqueles produzidos no exterior.

Riscos Operacionais

Os riscos operacionais estão associados aos procedimentos operacionais e administrativos da sua empresa. Esses incluem:

  • recrutamento;
  • cadeia de suprimentos;
  • controles contábeis;
  • sistemas de TI;
  • normas e regulamentos.

Essas operações devem ser examinadas e, por sua vez, os riscos ligados a elas priorizados para tomar providências caso se tornem ameaças reais. Por exemplo: se você depende fortemente de um fornecedor para um componente-chave, sua empresa precisa considerar o que poderia acontecer caso ele saia do negócio e ter outros fornecedores em vista para minimizar o risco.

Controles contábeis e gestão de riscos

Um aspecto-chave da governança corporativa envolve gerenciamento de risco tributário. As empresas têm de se sentir à vontade para que suas decisões fiscais não colidam com a legislação tributária e não sejam objeto de investigações desfavoráveis pela Receita Federal.

Por isso, fazer um bom controle contábil está entre as estratégias de gestão de riscos mais importantes, pois ter a contabilidade de uma empresa bem organizada pode evitar prejuízos financeiros devido a multas tributárias.

Manter a empresa organizada para o caso de ser alvo de alguma auditoria, seja interna ou externa — como utilizando um software para o correto armazenamento de notas fiscais — pode e deve estar dentro das estratégias de gestão de riscos.

Mas se você quer ter mais conhecimento sobre questões que possam ajudá-lo na gestão financeira de sua empresa, faça a Leitura obrigatória para reduzir custos da empresa de uma vez por todas!